Pesquisar este blog

Mostrando postagens com marcador Relatos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Relatos. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Pilotos e Ovnis

Recentemente, recebemos um e-mail de Dyego L. S., um tripulante de vôo de uma grande empresa aérea brasileira, compartilhando sua experiência de um avistamento de OVNI que teve junto com seus colegas de bordo, nas proximidades da cidade de Belo Horizonte, MG – Brasil, em 3 de agosto passado.

No e-mail, Dyego nos direciona ao seu blog, onde ele postou os detalhes de seu avistamento e também nos dá permissão para publicá-lo aqui.

Leia abaixo o relato de Dyego, na íntegra:

"Desta feita, como prometido no post anterior, finalmente posso compartilhar do fato ocorrido no sábado dia 03 de Agosto de 2013 , em virada para o dia 04 domingo . Por volta das 23:30 daquela noite acabávamos de sobrevoar a cidade brasileira de Belo Horizonte, capital das Minas Gerais; e como num passe de mágica, após alguns minutos fomos surpreendidos por uma nave / objeto gigantesco que aparecia bem mesmo em cima de nós, era imensamente grande e estava por cima cerca de 100 metros ou até menos. Seu tamanho podia ser de 3 a 4 vezes o tamanho da nossa aeronave , um Airbus A320. Saímos de São Paulo rumo à cidade de Teresina (primeira vez que eu visitaria aquela localidade) e momentos antes, por grande curiosidade, perguntei aos pilotos se antes já tinham visto objetos não identificados no céu …de dar arrepios , e acabou acontecendo mesmo logo a seguir. Seria grande coincidência ou pressentimento? Desta maneira a grande nave nos ultrapassou por cima muito lentamente, estávamos a 39 mil pés de altura e à uma velocidade aproximada de 850km por hora. Com certeza ela deve ter aplicado 100 ou 150 km a mais do que nós para tal feito.

Logo após ter nos ultrapassado, aplicou depois uma velocidade maior para que pudesse se afastar mais um bocado rapidamente . Depois manteve a sua velocidade por algum período, como se estivesse parada no ar .

Podíamos vê-la bem mesmo à nossa frente, como se estivesse a dizer OLÁ ! Tudo bem ?

Jamais na vida vi algo semelhante e todos da tripulação ficaram visivelmente num estado emocional de êxtase, beirando a desconfiança e a incredulidade, passando pela felicidade de poder ver algo tão especial e que poucos tem a oportunidade de compartilhar. O mais curioso é que a gigantesca nave sequer aparecia no radar TCAS do nosso avião e nem em nenhum dos aviões que voavam na mesma localidade, tampouco nos radares do ACC Brasília, órgão de controle de voo responsável por aquela jurisdição aérea. Como profissionais fomos obrigados a reportar a situação para que a defesa do País pudesse tomar as providencias cabíveis quanto a averiguação daquele fato, selecionando uma frequência de comunicação diferente e descrevendo toda a posição geográfica e as movimentações da maquina estranha. O órgão de controle acionou a força aérea para que a mesma enviasse um caça da base aérea de Anápolis ou Santa Cruz, a fim de intercepta-la e dimensionar as suas intenções. Assim o fizeram, mas como se já soubessem de tudo o que ia acontecer, a gigantesca nave se inclinou para a esquerda permaneceu alguns minutos em total permanência de sua altitude, velocidade e sem curvas.

Logo a seguir, depois de permanecer parada (na mesma velocidade que nós), aí sim adotou uma curva e saiu em retirada numa velocidade fantástica que humanamente era impossível de mensurar. Era mais rápida do que qualquer coisa já vista na terra e das tecnologias das quais conhecemos. E se afastou, indo para muito longe. Fato curioso é que nesse deslocamento, aconteceu algo muito bonito naquele céu claro e sem nenhuma nuvem… Uma chuva de estrelas cadentes!!!! Até brincamos entre nós para fazermos pedidos que com certeza seriam realizados.

Sem podermos imaginar que fenômeno era aquele e quais os motivos, razões ou circunstâncias, nos restou apenas observar e admirar embasbacados tudo o que se passava. Ficava cada vez mais difícil darmos orientação de localização para o Centro de Controle aéreo porque tudo era muito surreal e fantasioso para descrentes. Mas foi REAL e visto por várias pessoas . Lá ao longe, ainda podíamos vê-lo, só que à distancia e o nosso deslocamento contrario a rota que o mesmo fez não trazia mais a perfeição de detalhes. Vimos luzes , luzes que sim essas eram muitíssimo fortes mesmo a quilômetros. Uma vinha do solo, sim, da terra, em algum lugar do interior de Minas Gerai0; outra no ar e outra que vinha da própria nave, formando um reta de 45 graus que piscava simultaneamente luzes umas com as outras …

Depois de alguns breves minutos, perdemos o contato visual e não sabemos até hoje o que foi aquilo e quais eram as suas intenções. Eu era um sujeito muito desconfiado quanto a esse tema, porém depois daquela experiência passei a ter a certeza de algo que estranho acontece por aí …existe mesmo. Questionados pelo ACC – trafego aéreo – notificamos a perda de contato visual. Assim findou – se o caso e o caça retornou a sua base sem nem ao menos ter conseguido chegar perto ou avistar o objeto. A Nós foi solicitado que não fizéssemos um relatório formal perante as autoridades nacionais. Podendo acarretar numa bateria de exames psicológicos , psiquiátricos , toxicológicos e suspensão de licenças de trabalho e carteiras profissionais, sem data definida para normalização e conclusão do processo investigativo. Foi-nos aconselhado e assim o fizemos . Porém, resolvi aqui escrever de uma maneira informal, para que jamais possa esquecer e compartilhar com o máximo de pessoas possível . VOCÊ , leitor que não acredita, não me importo com a sua opinião. Em nada vai mudar o que se passou e tampouco tirar da cabeça toda uma situação compartilhada por varias pessoas . Não sei se digo que foi sorte ou azar termos avistado a nave, porém só posso dizer que estávamos ali, naquela noite, naquela hora e no momento certo . Desenhos de minha autoria para ilustrar . Uma boa noite a todos."

terça-feira, 9 de julho de 2013

Cosmonauta relata avistamento de Ovni


Em 5 de maio de 1981, o cosmonauta Vladimir Kovalyónok observou um raro objeto ao redor da estação espacial Saliut 6. O cosmonauta contou sua história em um programa de TV da rede russa Rossiya 1.

“Estava treinando na esteira de correr. Ao olhar pela janela vi um objeto brilhante ‘debaixo’ da estação espacial.” Tinha uma forma parecida com a de um meteoro, recordou o cosmonauta.

Nos espaço é muito difícil determinar a distância; um pequeno objeto próximo pode parecer grande e à distância, e o contrário também, destacou o cosmonauta. “O que me chamou a atenção é que o objeto estava abaixo da estação e se movia paralelamente a nós. Chamei Victor (Saviny) para que trouxesse a câmera“, comentou.

“Depois, houve explosões. A primeira à esquerda, a segunda à direita, e depois de alguns segundos a estação entrou na sombra da Terra. Ao sair da sombra mais tarde, olhamos ao nosso redor, mas não vimos os sinais de explosão.”

Kovalyónov admitiu não saber o que ocorreu. “Relatei [o evento], mas não houve reação. Hoje ninguém me pergunta sobre isso, além dos repórteres de TV. Creio que é porque calar é mais fácil do que dar uma resposta”, finalizou.

Fonte : ovnihoje.com

domingo, 30 de junho de 2013

Óvnis e extraterrestres são reais, afirmou Ben Rich

Ben Rich, diretor da Lockheed Skunk Works, confessou antes de morrer

Ben Rich, diretor da Lockheed Skunk Works, admitiu em seu leito de morte que as visitas de OVNIs extraterrestres são reais e que os militares dos Estados Unidos viajam pelas estrelas, de acordo com artigo publicado em maio de 2010 no Jornal UFO MUFON.

O que ele revelou pode parecer novidade para a maioria das pessoas, porém, isto aconteceu em janeiro de 1995. Suas declarações dão respaldo aos relatos de que os militares dos EUA tem estado voando em veículos que imitam as naves alienígenas.


O artigo foi escrito por Tom Keller, um engenheiro aeroespacial, que trabalhava como analista de sistemas de computadores para a NASA.

1. “Dentro do Skunk Works (entidade de pesquisa e desenvolvimento secretos da Lockheed), eramos um grupo pequeno, mas muito unido, que consistia de aproximadamente 50 engenheiros e projetistas veteranos, e uma centena de torneiros mecânicos peritos e outros funcionários. Nosso ponto forte era a construção, em números pequenos, de aeronaves tecnologicamente avançadas para missões de alto segredo“.

2. “Já possuímos os meios para viajar entre as estrelas, mas estas tecnologias estão trancafiadas em “projetos negros” (black projects) e somente um ato Divino poderia tirá-las de lá para o benefício da humanidade. Qualquer coisa que você possa imaginar, nós já sabemos fazer“.

3. “Temos a tecnologia para levar o ET para casa. Não demorará uma vida inteira até que consigamos isto. Há um erro nas equações. Nós sabemos qual é. Agora temos a capacidade de viajar para as estrelas. Primeiro, você deve compreender que nunca conseguiríamos chegar nas estrelas com propulsão química [os tradicionais foguetes de hoje]. Segundo, temos que criar uma nova tecnologia de propulsão. O que temos que fazer é descobrir onde o Einstein errou“.

4. Quando perguntaram à Rich como é que a propulsão dos OVNIs funcionava, ele disse: “Deixe-me perguntar à você. Como é que a Percepção Extra Sensorial funciona?“ A pessoa que foi indagada por Rich respondeu: “Todos os pontos no tempo e espaço estão conectados?“. Rich então disse, “É exatamente assim que funciona!”

Ben Rich sabia da existência de OVNIs extraterrestres

Rich sabia que os OVNIs extraterrestres do caso Roswell influenciaram o projeto dos kits do modelo Testor, e de aeronaves secretas dos EUA. De acordo com uma reportagem da CNI News, por Michael Lindemann, a informação do projeto derivou-se das ilustrações forenses e dos vários relatos das testemunhas sobre o OVNI de Roswell, fornecido por William L. “Bill” McDonald.

Em e-mail datado de 29 de julho de 1999, endereçado a Lindemann, MacDonald referenciou um trecho de uma discussão com Harold Puthoff, fundador do programa altamente secreto dos EUA de “remote viewing” (visualização remota).

MacDonald disse: “Bem, Hal, você pediu por isso! Agora que o legendário engenheiro e chefe de projetos de modelagem da Lockheed para Testor Corporation, John Andrews, está morto, eu posso anunciar que ele pessoalmente confirmou a conexão de projeto entre a nave de Roswell e os Veículos Aéreos de Combate Não Tripulados da Lockheek Martin (UCAVS, em inglês), aviões espiões, Caças Joint Strike e os Ônibus Espaciais“.
Andrews era uma amigo pessoal do diretor da Skunk Works, Ben Rich, que foi selecionado a dedo para substituir o fundador daquela organização, Kelly Johnson, e também ficou famoso pelo projeto do caça F-117 Nighthawk Stealth Fighter, seu protótipo miniaturalizado “HAVE BLUE“, e a aeronave super secreta F-19 Steath Interceptor. Antes de Rich morrer de câncer, confirmou:

“Existem dois tipos de OVNIs. O que nós construímos e o que ‘eles’ construíram. Nós aprendemos tanto das recuperações de OVNIs que se acidentaram e dos que ‘nos foram dados’. O governo [dos EUA] sabia disso e até 1969 mantinha controle na administração dessa informação. Após a retirada de Nixon em 1969, a administração passou a ser feita por uma comissão internacional de diretores do setor privado…”

“Quase todas as aeronaves com desenho “bimorphic” foram inspiradas na aeronave de Roswell, desde o SR-71 Blackbird, até os “drones”, UCAVs e espaço naves“.

A opinião de Ben Rich era de que o público não deveria ficar sabendo sobre os OVNIs e extraterrestres. Ele acreditava que eles não conseguiriam encarar a verdade. Somente nos últimos meses de seu declínio que ele começou a pensar que a comissão de diretores internacionais que ‘administram’ o caso poderia representar um maior problema para as liberdades pessoais dos cidadãos, sob a Constituição dos Estados Unidos, do que os visitantes alienígenas poderiam.

Lindemann comentou que “Bill McDonald recebeu a informação de Andrews desde 1994 até o seu último telefonema perto do Natal de 1998“.
Lindemann também disse “Deve-se da mesma forma ser conhecido que Dr. Ben R. Rich participou de uma conferência pública de engenheiros e projetistas aeroespaciais em 1993, antes de sua doença o ter debilitado, na qual ele declarou, na presença do diretor da seção de Orange County da MUFON, Jan Harzan e muitos outros, que ‘Nós (o complexo industrial militar e a comunidade aeroespacial dos EUA) tivemos em nossa posse a tecnologia para levar-nos até as estrelas”.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Existem extraterrestres no Brasil?

Muita gente afirma já ter visto ou até mesmo ter tido contato, mas ninguém ainda conseguiu provar que extraterrestres já fizeram suas visitas ao Brasil.

O assunto é polêmico: apesar de vários acontecimentos relacionados à ufologia serem bastante conhecidos não apenas por causa de boatos, ainda há muita resistência na confirmação desses casos. Há inclusive uma campanha liderada por ufólogos que pressiona o governo nacional a dar mais informações e disponibilizar documentos oficiais sobre o assunto. Chamado de "UFOS, Liberdade de Informação Já", o projeto é encabeçado pela Revista UFO.

O Yahoo! Brasil pesquisou e também contou com a consultoria de três renomados ufólogos para selecionar os casos de ETs mais famosos que ocorreram no Brasil.

Confira:

1947 - Pitanga, Paraná

A partir dos anos 1940, os estudos sobre objetos voadores não identificados começaram a ser feitos de forma mais organizada, segundo Vanderlei D'Agostino, ufólogo e consultor da revista UFO . O primeiro caso mais conhecido é o da Colônia Goio-Bang, no Paraná. Quem disse ter vivido essa experiência foi o agrônomo José Higgins. Enquanto trabalhava no campo, ele viu um objeto pousar. Dele, saíram três seres muito altos, com olhos grandes e redondos, vestindo macacões e falando uma língua indecifrável. Com gestos e desenhos, Higgins disse ter entendido que os extraterrestres queriam levá-lo para "o sétimo círculo depois do sol". Depois de dizer que precisava ir buscar sua esposa, ele conseguiu escapar dessa viagem.

1957 - Minas Gerais

O caso Villas Boas é outro relato sobre abdução. O agricultor Antonio Villas Boas teria sido abduzido enquanto trabalhava de noite em uma fazenda no interior de Minas Gerais. Ele conta que foi obrigado a ter experimentos com os ETs, incluindo até uma relação sexual com uma extraterrestre com aparência semelhante à humana. A hipótese de Villas Boas é que ele tenha sido usado como reprodutor, pois conta que a ET apontava para a própria barriga e para cima. Anos depois, o agricultor apresentou manchas negras pelo corpo, explicadas pelos médicos como intoxicação radioativa.

1958 - Trindade, Espírito Santo

O caso da Ilha de Trindade foi testemunhado por dezenas de pessoas que estavam à bordo do navio Almirante Saldanha, da Marinha Brasileira. Essas pessoas dizem ter observado um ovni, no formato do planeta Saturno, e que não emitia barulho algum. Um fotógrafo chegou a registrar a passagem do objeto, que durou apenas 14 segundos.

1958 - Santos Dumont, Minas Gerais

O autor do livro "Sequestros Alienígenas - Investigando Ufologia com e sem Hipnose", Mário Rangel,tem um relato mais pessoal sobre um caso de ufologia no Brasil. Ele, que domina a prática da hipnose, hipnotizou o motorista Gonçalo para que ele conseguisse se lembrar do que aconteceu quando dirigia um caminhão de seu patrão, na cidade de Santos Dumont (MG), durante a noite, e de repente a estrada ficou escura, um feixe de luz foi em sua direção e Gonçalo parou o carro no acostamento. No instante seguinte, ele se viu deitado debaixo do camihão. Durante a hipnose, Gonçalo contou que a luz que enxergou era de um disco voador, do qual saíram três seres. Ele foi levado para a nave, que o conduziu a outro planeta. Ainda segundo seus relatos, o motorista conta que o planeta era iluminado por um sol azul, extremamente quente, e lá ele foi exposto à visitação pública sob a guarda de um soldado armado. Horas depois, Gonçalo estava de volta à Terra e sem se lembrar de nada.

1963 - Belo Horizonte, Minas Gerais

Três garotos, Fernando, Ronaldo e José Marcos, disseram ter visto um objeto redondo e não identificado sobrevoando uma árvore no quintal de sua casa em Belo Horizonte. Segundo relatos, um alienígena saiu de dentro dele e impediu que os meninos o atacassem lançando um raio de luz. O ET também tentou se comunicar falando com os garotos, mas não teve sucesso e voltou para a "nave".

1966 - Campo dos Goitacazes, Rio de Janeiro

No alto do morro do Vintém, no Rio de Janeiro, ocorreu um caso que até hoje não foi explicado. Miguel Viana e Manoel da Cruz eram radiotécnicos e subiram o morro para um trabalho. Eles só voltaram a aparecer dias depois, mortos e usando máscaras de chumbo. Um ufólogo francês veio ao Brasil nos anos 1980 para estudar o acontecimento, e notou que o local em que os corpos foram encontrados era curioso por não ter vegetação e ter solo aparentemente calcinado.

1977 - Colares, Pará

Há um consenso entre os ufólogos que determina a Operação Prato como o primeiro dos grandes casos em relação à extraterrestres no Brasil. Na cidade de Colares, no Pará, pessoas começaram a ter experiências bem incomuns. "A pessoa atingida desmaiava, e acordava com pequenas marcas no peito, parecendo de agulhas. Algumas sentiam anemia, o que foi associado a idéia de que as luzes retiravam o sangue das vítimas", explica o escritor do livro De Roswell a Varginha e consultor da revista UFO, Renato Azevedo. Até um comandante do exército brasileiro, o capitão Uyrangê Hollanda, foi enviado ao local para investigações. Foram meses coletando filmes, fotografias e fazendo relatórios, que nunca foram divulgados. Em 1997, pouco antes de morrer, o capitão declarou à revista UFO que tinha uma teoria "de que alienígenas estavam colhendo amostra de sangue e genéticas das pessoas, com o intuito de se protegerem contra nossos germes no momento de fazerem o contato oficial conosco", segundo conta Renato Azevedo.

1979 - Baependi, Minas Gerais

Outro caso envolvendo um agricultor. De acordo com relatos, Arlindo dos Santos havia saído para caçar com os amigos, munido de uma câmera fotográfica e uma bolsa. Longe dos companheiros, ele avistou três objetos não identificados, de diferentes formatos, pousarem. Quando o quarto objeto apareceu, ele tentou tirar uma foto, mas neste momento foi capturado. Arlindo conta que os seres disseram ser "do bem", lhe falaram sobre sua civilização e o libertaram. O agricultor chegou a encontrar em sua bolsa desenhos e pinturas, que ele acredita serem mensagens dos ETs.

1986 - região do Vale do Paraíba, São Paulo

Esse episódio ficou conhecido como Noite dos UFOs no Brasil. Segundo o ufólogo Vanderlei D'Agostino, no dia 19 de maio de 1986, nada menos que 21 objetos não identificados foram vistos e captados por radares no céu da região do eixo Rio-São Paulo. "Caças da FAB chegaram a ser enviados para interceptar tais objetos, mas sequer conseguiam se aproximar ou perseguir tais objetos", conta o ufólogo.

1996 - Varginha, Minas Gerais

Certamente o caso mais famoso de extraterrestres no Brasil. De acordo com Renato Azevedo, o sul de Minas Gerais já estava passando por uma grande onda de avistamentos de ovnis entre o final de 1995 e início de 1996. E foi no dia 20 de janeiro que três garotas viram o que depois passou a ser conhecido como o "ET de Varginha". Elas disseram ter visto um ser agachado junto ao muro de um terreno baldio, com cerca de 1,60m, três protuberâncias na cabeça, olhos grandes e vermelhos e pele marrom-escura. " Nas semanas de pesquisas que se seguiram, que envolveram dezenas de ufólogos, descobriu-se que esse ser deve ter sido capturado por policiais no começo da noite, após uma forte chuva, e levado a um dos hospitais da cidade " , como relata Renato. Dizem que na verdade existiam dois seres na região, que foram capturados pelos militares, um vivo e um morto. Não se sabe ao certo o paradeiro desse suposto alienígena vivo. Há hipóteses de que ele esteja até hoje sendo estudado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) ou que ele tenha sido levado para análise nos Estados Unidos.

1998 - São Paulo, São Paulo

O último caso sobre ETs bastante comentado no Brasil aconteceu em São Paulo em 1998. Um garoto de dez anos e seus familiares teriam visto, na região do bairro Capão Redondo, um objeto voador não identificado. O ovni ficou aparente por cerca de 30 minutos, mas só há quatro minutos filmados desse acontecimento, que mostram a nave fazendo manobras incríveis.

Com tantos casos como esses, o ufólogo Vandelei D'Agostino lembra que os avistamentos ocorrem no mundo todo, mais em alguns lugares do que em outros por razões que os estudiosos ainda estão estudando. Segundo ele, "O Brasil tem alto índice de avisamentos devido à sua enorme área geográfica". Tomando como exemplo os casos acima, pode-se reparar que o estado de Minas Gerais é o que concentrou mais incidentes envolvendo extraterrestres.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Ufologo Francis Uhry relata avistamento de caminhoneiro gaúcho

Relato de João Flávio S. motorista de caminhão de uma transportadora gaúcha , autorizou a publicação do mesmo no blog Ufologia Missioneira.

Ao ver o ufologista Francis Uhry comentar sobre casos que conhecia na região das missões, João contou com detalhes e com visível aspecto de espanto o caso que presenciou no interior de Goiás.

João: 
- Eu e um colega estávamos descendo de Goiás para o Cerro Largo – RS, saímos da empresa por volta das 15 horas e a viagem corria bem até por volta das 22:30 da noite.

Francis:
-O que aconteceu?

João:
Eu me distraí por 1 segundo, quando olhei para frente, parecia que o caminhão da frente estava grudado em mim. Cheguei a frear forte. Cantei pneu. 

Francis:
- E o que era?

João:
Aí é que está meu filho. Aquela luz acompanhou a freada , parecia que tinha um vidro na frente do para-brisa do caminhão. Você não vai me entender.

Francis:
Entendo sim, continue contando.
“Neste momento notei que João estava ficando desconfortável em continuar contando a história. Tive que tranquiliza-lo e contar algumas coisas que já tinha presenciado e contar sobre nossas pesquisas sobre o assunto. Mostrando a ele, que acreditava sim, no que ele estava contando.”
Após fazer isso, João continua a história:

- Então... Após o susto e a freada, eu vi que não era outro caminhão nem outro carro, segui imaginando que era reflexo de algo.

Mas aí aquilo começou a ficar estranho, não sei como explicar, era como se fosse um reflexo parado no vidro. Mas que uma vez ou outra se mexia. Não consigo explicar. Parecia que alguém que estava mexendo. Cheguei a pensar que era algum tipo de brincadeira do meu colega. Mas ele vinha dormindo do lado.

Aí pensei que a luz que tem em cima do para-brisa tinha soltado e estava dando reflexo. Ou algo assim...

“Neste momento um colega entrou na sala e João na hora parou de contar, desconversando e mudando de assunto. Nitidamente emocionado com a história que estava contando.”

Assim que o colega saiu ele continuou:
- Não gosto de contar para todo mundo, porque contei no posto que parei depois, começaram a rir da minha cara e dizer que eu estava com sono, ficando velho e meio louco.

Francis:
- Eu entendo o Sr. Mas o senhor conseguiu ver o que era?

João:
Meu filho, aí eu parei para ver se não tinha se soltado a luz. Quando eu abri a porta, parecia que alguém tinha colocado uma lanterna forte na minha cara.
Uma luz muito forte que não conseguia enxergar nada. Mas me pareceu muito rápido. E sumiu tudo. Consegui enxergar. Fui para a frente do caminhão. Não encontrei nada. Entrei na cabine o meu colega estava acordando. Perguntou o que aconteceu. Eu contei e ele riu. Continuei a dirigir quando resolvi olhar para o relógio do caminhão. Foi quando levei o susto maior. Era 23:56.

Francis:
- O que o Sr. Acha que aconteceu?

João:
Só Deus sabe meu filho. Sou temente a Deus. E se posso te dizer uma coisa, foi que tenho dentro de mim, que foi ele quem me protegeu.
O que você acha que aconteceu?

Francis:
As teorias são tantas que não saberia lhe dizer. “Mesmo imaginando o que teria acontecido.”

sexta-feira, 14 de junho de 2013

O encontro de Mário Restier

Às 17 horas do dia 4 de dezembro de 1949, Mario Restier, que morava na cidade de Barra Mansa, regressava do sítio de seu pai, em Volta Redonda (RJ), quando notou, ainda perto do sítio, um objeto discoidal sobrevoando silenciosamente um grupo de arvores, aterrissando em seguida a 10 ou 15 metros da estrada. Surpreso, assustou-se mais ainda quando ouviu uma voz que lhe dizia: "Não tenha medo... Quer saber do que se trata? Sabemos que você acredita em nós".

À sua aproximação abriu-se uma portinhola no aparelho e apareceram dois tripulantes, de estatura aproximada de 1,65 (mesma altura de Mario), os quais acenaram amistosamente, como convidando-o à entrar. Usavam uma espécie de saiote romano e tinham a cabeça coberta por um gorro ou capacete.

A primeira pergunta que Mário lhes fez foi se acreditavam em Deus, ao que responderam imediatamente: "Deus é um só!.

Mais encorajado, o jovem entrou no disco, sendo conduzido por um corredor e uma sala com painéis cheios de ecrãns, quadros e botões. Apareciam nas telas esquemas indicando dados da locomoção da nave.

Os tripulantes convidaram-no à uma viagem. Restier respondeu que aceitaria se eles prometessem trazê-lo de volta são e salvo. Após a confirmação por parte dos tripulantes do objeto deitaram-no dentro de uma espécie de urna ou banheira, cheia de um líquido que, segundo os seres, servia para eliminar problemas relacionados à grandes acelerações, alem de hidratar e alimentar o corpo. Apenas a face ficou fora do líquido.

Quando os tripulantes anunciaram que iriam decolar Mario adormeceu. Quando acordou foi informado de que estavam chegando. Ele foi retirado da urna e levado à outro compartimento da nave onde suas roupas e seu corpo secaram imediatamente. Foi-lhe fornecido um uniforme semelhante aos dos tripulantes do objeto.

Ao olhar pelas vigias do disco, Mario percebeu que estava em uma espécie de hangar com vários discos semelhantes ao que embarcara. Quando olhou novamente para os tripulantes Mário surpreso percebeu que eles estavam sentados numa espécie de sofá aparentemente "desligados". Foi então que abriu-se a portinhola por ela entraram algumas pessoas que com simpatia dirigiram-se à testemunha. Estes informaram que Mario era a terceira pessoa a estar no local e que estavam felizes por ele ter vindo.

Em seguida estes seres levaram-no a passear por uma espécie de cidade onde haviam outros seres. Ele foi levado à uma espécie de museu onde mostraram-lhe uma tela com imagens da humanidade. nossa índole, nossas ambições, violência, etc.

Após algumas horas Mario foi levado de volta ao disco, onde suas roupas foram devolvidas. Ele foi novamente colocado na urna com o estranho liquido. Quando acordou foi levado até o local onde havia embarcado. Ao chegar no sítio do seu pai este reclamou muito por Mario ter desaparecido tanto tempo sem dar notícias, deixando preocupados todos os seus amigos e familiares. Foi então que percebeu que era 14 de abril de 1950. Mário lembrava-se de algo em torno de 6 horas de sua experiência. Praticamente 4 meses de sua vida estavam em branco.

O caso encontra-se detalhadamente descrito no Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores, edição 61 de 15 de abril de 1968.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

As Luzes de Fênix: novos relatos

Uma testemuha do famosos evento de 1997, que ficou conhecido como as Luzes de Fênix, que ocorreu nos estados de Arizona e Nevada, recém se manifestou na Internet, descrevendo que viu as luzes quase diretamente debaixo delas.

As Luzes de Fênix foram vistas por milhares de pessoa do sudoeste estadunidense em 17 de março de 1997. Das 19h30 até as 22h30 daquela noite, testemunhas reportaram ter visto uma gigantesca nave em forma de “esquadro” pairando no ar. O objeto foi visto por pessoas num raio de 480 quilômetros. O incidente fez com que civis, policiais e até mesmo o governador do estado do Arizona relatassem o avistamento.

A explicação oficial do governo foi de que eram “tochas de iluminação” liberadas por aeronaves militares em treinamento. A explicação pode ter convencido algumas pessoas, mas há inúmeras outras, particularmente aqueles que testemunharam o evento, que acreditam que as luzes não eram tochas militares, mas algo muito mais estranho.

Agora, quase duas décadas após o incidente, um membro do fórum Above Top Secret trocou informações com alguém que alega ter visto as Luzes de Fênix em 1997, quase que diretamente abaixo delas. O e-mail, compartilhado por “esteay812“, é o seguinte:

”Minha família e eu muitas vezes relembramos aquela noite. Eu estava morado em Fênix por somente um ano, um ano e meio no máximo. Estávamos morando na Base da Força Aérea William quando vimos o objeto. Na verdade, o vimos a partir de dois pontos de visão, sendo a base Williams o segundo.

Estávamos na casa da minha tia quando o notamos pela primeira vez… …De qualquer forma, era logo após o por do sol, ou assim parecia. Eu ainda era jovem. Meu primo avistou o objeto e me chamou para fora. Então eu o vi e chamei meu pai e irmão. 

Ele era enorme. Não estava tão alto quando uma aeronave jumbo, ou algo assim, mas estava pelo menos a 1500 metros de altura e era gigantesco, na forma de um V com luzes. Não eram luzes normais; elas eram relativamente maiores do que as luzes de um estádio quando se fica logo abaixo de seus postes, mas a centenas de metros acima e não eram muito brilhantes também. Eram mais amareladas, como luzes antigas de rua quando vistas através da neblina, talvez até distorcidas…

Após a vermos indo em direção ao sul, voltamos para dentro da casa de minha tia por cinco minutos e então saímos. Meu pai, meu irmão e eu voltamos de carro para nossa casa e olhávamos para fora da janela à medida que ela se movia. Íamos para o sul, ao longo da auto estrada, de Mesa Drive em direção à base Williams…

A um dado momento, não ficamos diretamente abaixo do objeto, mas podíamos ver menos luzes laterais. Estávamos conversando muito neste momento e eu não lembro dos detalhes visuais. Chegamos em casa minutos mais tarde. Meu pai entrou e arrumou sua cama, enquanto meu irmão e eu continuamos a olhar o objeto.

Neste momento estávamos mais longe e o ponto de visão mudou. Vimos a mesmo forma em V, mas não era tão grande. Também, podíamos ver a espessura das luzes agora; muito finas em comparação ao seu tamanho. Elas pareciam quase que como luzes energizadas por pilhas…

…Observamos esta coisa se mover pela cidade por aproximadamente 20 a 25 minutos no total…

Eu acho que foi um espetáculo, como ir a um zoológico e somente iluminar para baixo com as lanternas pensando ‘hei, eles provavelmente são muito burros para saber o que está acontecendo‘ … talvez eles estejam certos, mas quem vai saber?“

Dado ao fato de que este misterioso objeto foi avistado por milhares de pessoas e confirmado pelas mesmas de se tratar de algo sólido, e não tochas militares com alegou o governo estadunidense, este incidente constitui prova incontestável de que estamos sendo visitados por outras civilizações. 

Até hoje, nenhuma explicação de cético algum conseguiu derrubar o testemunho das milhares de pessoas, dentre elas do governador do estado do Arizona da época, John Fife Symington III.

Fonte: ovnihoje.com

sexta-feira, 7 de junho de 2013

OVNI aparece à noite em Pradera, Colômbia


3 de junho, os habitante do município de Pradera, na Colômbia, viram uma luz estranha no céu, por volta das 20h40min, a qual permaneceu no céu por mais de seis minutos. Apesar da luz ter espantado os moradores da região, o prefeito da cidade tem outra versão e diz que a luz era somente uma tocha de sinalização lançada pelo exercito. Contudo, os moradores da cidade dizem que a luz mudou de posição em alta velocidade, por três vezes.
Fonte : ovnihoje.com

terça-feira, 4 de junho de 2013

Regressão em abduzidos

Em uma decisão única, o Conselho Nacional de Hipnose Britânico (NCH) criou uma política relativa a abduções extraterrestres. Até onde sabemos, esta é a primeira vez que um dos corpos profissionais que representam a hipnose britânica fez um pronunciamento oficial neste assunto, deixando orientação somente para seus membros.

A força motriz atrás desta iniciativa é o psicoterapeuta David Howard, com quem estamos trabalhando durante algum tempo. David é um membro do NCH com um interesse em uma gama extensiva de fenômenos paranormais e psíquicos. Ele trabalhou com várias pessoas que acreditam que tiveram experiências com abduções e teve durante algum tempo preocupado com este importante campo de seu trabalho que era feito sem assistência de nenhuma diretriz oficial. Baseando em seu conhecimento e experimentos neste campo ele levou este assunto para a NCH e ofereceu algumas sugestões. Eu submeti um papel também a NCH, enquanto utilizava o Ministério oficial de pesquisa de Defesa e investigação deste fenômeno, e trabalho subseqüente empreendido junto a uma capacidade privada.

David Howard

No dia 14 de dezembro de 2001 o NCH escreveu a David Howard, incluindo um documento intitulado Declaração de Política de Abdução Extraterrestre. O texto era como segue abaixo:

"Com o recente interesse neste fenômeno, o Conselho Nacional de Hipnose emite as seguintes diretrizes":

Clientes portadores de experiências de abduções extraterrestres (AAC) serão tratados com o mesmo respeito e cortesia como se fosse qualquer outro cliente. As técnicas de regressão que devem ser utilizadas com os abduzidos deverão seguir estas diretrizes:

a. Não Diretiva
b. Não Conduzida
c. Preferivelmente Indireta

O terapeuta também deve estar atento às implicações da Falsa Síndrome de Memória (FMS). Nós recomendamos que os terapeutas não devam introduzir o assunto de Abduções Extraterrestres a menos que o paciente recorra em primeiro lugar a isto. Adicionalmente, os terapeutas não devem se ocupar confirmando estes incidentes.

Eles devem ter uma posição neutra na existência de Abduções Extraterrestres.

Por causa da necessidade de regressão em Abduzidos é essencial que os terapeutas se assegurem que o histórico de saúde médica e mental destes pacientes seja pesquisada antes do começo do tratamento".

É importante reconhecer que tipo de terapia e hipnose de regressão serão aplicadas já que são técnicas controversas e com muitas discordâncias científicas (Para um resumo disto, veja meu livro "O Não convidado", especialmente capítulos três e quatro).

Também é importante reconhecer que o NCH não é a única organização que busca satisfazer as necessidades dos terapeutas de hipnose britânicos. Mas quando o NCH emitiu esta declaração de política foi dado um passo corajoso que reconheceu como verdadeiro todas as solicitações de investigação de abduções extraterrestres. Existem inúmeras pessoas que buscam ativamente por ajuda e orientação neste assunto porque eles realmente acreditam que tiveram uma experiência. Até agora, tais pessoas não tiveram apoio de parte alguma. Agora isto é um caso mais longo, e os abduzidos podem descansar tendo assegurado que se eles chegarem a qualquer terapeuta afiliado ao NCH, eles estarão lidando pelo menos com alguém que terá uma consciência básica do fenômeno, junto com uma compreensão de como melhor levar uma investigação adiante. Este é o grande avanço oriundo desta nova orientação.

Que mais foi planejado?

David Howard pretende escrever algo para o diário do NCH e agirá como o líder da organização neste assunto. Ele também postará algo a respeito no website (www.hypnotherapists.org.uk).

Serão encorajados que os membros do NCH empreendam pesquisa neste assunto, ou como parte de uma qualificação de pós-graduação ou independente.

A discrição do editor, os seus resultados podem ser publicados no Diário de Hipnoterapia.

Podem ser usados o website e o diário para reunir as pessoas com interesses em pesquisas nesta área, e é provável que um debate começará no foro de discussão do NCH.

Antes da iniciativa do NCH, o melhor fato conhecido sobre esta atitude na ufologia britânico sobre hipnose de regressão foi provavelmente à moratória OVNI de 1987 da Associação de Pesquisa britânica no uso desta técnica. Embora bem-intencionado na ocasião, esta moratória parece um pouco pitoresca agora. Não se pode voltar atrás após ter se dado um passo adiante, e o fato neste assunto são os números crescentes de pessoas no Reino Unido que tiveram experiências de abduções e que agora estão buscando a oportunidade de passar por uma hipnose de regressão. Enquanto todo o ufólogo responsável se assegurar que estas pessoas estão livres dos profissionais trapaceiros desta técnica, nós temos que escutar as pessoas até o final, a procura do tipo de metodologia conduzindo a testemunha defendo-as dos investigadores como Dr Alex Keul e o recente Ken Phillips. Afinal de contas, se alguém quiser fazer regressão, eles acharão um modo indubitavelmente. Nós devemos sim assegurar que pelo menos estas pessoas podem procurar alguém que tem uma consciência do fenômeno e está preparado verificar os casos dentro de uma forma responsável.

Indubitavelmente, o debate sobre hipnose de regressão continuará. Mas quando os profissionais de saúde mentais como o psiquiatra Dr. John Mack Médico da Escola de Havard disser que a técnica do diagnóstico e terapia for válido, nós teremos ter este assunto amadurecido. Querendo ou não a hipnose regressiva chegou aqui para ficar. Esta pode nos permitir a ter acesso a dados novos sobre um fenômeno e em muitos casos conduz a uma catarse por parte do abduzidos. Este é o caso que nós precisamos assegurar que a técnica é responsavelmente usada. Pensando nisto, o trabalho empreendido por David Howard e o NCH deveria ser recebido de braços abertos por qualquer um que tenha interesse no fenômeno de abdução alienígena - crente ou céptico - que está genuinamente preocupado com o bem-estar das pessoas que passaram por uma experiência de abdução extraterrestre.

Esta iniciativa nova será apoiada indubitavelmente por alguns e será combatida por outros, e um debate vivo está por acontecer. Contanto isto tem de ser levado de uma forma construtiva, para que possa ser de benefício à ufologia.

Tradução: Milton Dino Frank Junior
Fonte: www.cubbrasil.net e UFO UPDATES

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Ovni teria quase colidido em aeronave

Se um artigo do jornal escocês Daily Record estiver correto, o OVNI da notícia agora passa a ser um OVI, ou seja, um Objeto Voador Identificado.

De acordo com o jornal, há uma grande possibilidade de que o objeto que quase colidiu com a aeronave comercial tenha sido um balão de brinquedo em forma de tubarão, que foi perdido naquele mesmo dia pelo menino Billy Orsmond.

De acordo com o pai da criança, James, o balão tinha 1,80 metros de comprimento.

Seria possível que os pilotos não conseguiram estimar o tamanho do objeto ao passarem tão próximos à ele?

Esse é mais um daqueles casos que nunca saberemos ao certo.

(02/5/2013 – 00h02min)

Na terça à noite, precisei sair em viagem e quando cheguei ao meu destino, me deparei com essa notícia sobre o Airbus que quase colidiu com um OVNI ao acessar a Internet. Por estar muito cansado, como também devido ao fato do incidente ter ocorrido em dezembro passado, pensei que poderia tranquilamente esperar até esta noite para publicar a notícia.

Eu estava errado. Não só a notícia foi publicada na mídia corporativa no Brasil, como também inúmeros leitores me enviaram e-mails sobre o incidente. Meus agradecimentos a todos e abaixo a informaçao encontrada no site britânico dailymail.co.uk:

Um avião de passageiros chegou a 100 metros de um OVNI que estava voando sobre a cidade de Glasgow, na Escócia, de acordo com uma investigação oficial.

O avião esteve a 10 segundos de atingir o objeto, quando voava à altitude de 1060 metros, mais precisamente sobre Baillieston, na periferia de Glasgow.

Apesar da intensa investigação da UK Airprox Board, a qual investiga relatos de ‘quase colisões’, a entidade não foi capaz de identificar o objeto ‘azul e amarelo’ que passou sob o Airbus 320.

O piloto ficou claramente chocado e relatou que houve um alto risco de colisão naquele 2 de dezembro de 2012.

O objeto voador não identificado passou diretamente abaixo do avião antes que a tripulação tivesse a chance de reagir para evitá-lo.

Ambos os pilotos descreveram o objeto com sendo “azul e amarelo“, com uma pequena área frontal, mas que era “maior do que um balão“.

Não foi identificada a empresa aérea envolvida no caso. Várias companhias utilizam o Airbus 320, que é um avião que pode comportar até 220 passageiros.

Veja abaixo a transcrição de parte da conversa entre o piloto da aeronave e a torre de controle:

A320: ‘ah, sim recém tivemos algo passando abaixo de nós, muito próximo e nada no TCAS. Você tem algo na sua área?’

Controle: ‘Negativo, não temos nada no radar e também não estamos falando com outro tráfego’

A320: ‘Não tenho certeza do que era, mas definitivamente era bem grande e azul e amarelo’

Quando perguntado se poderia ter sido um balão, o piloto negou, pois o objeto era muito grande. Outros sites também reportaram que se fosse um radar ou uma asa delta, o radar do aeroporto facilmente o detectaria.

Fonte: ovnihoje.com

Casos de abdução

Foto da Gardunha
No século XIV, uma menina do Fundão desapareceu por três dias. Quando foi finalmente encontrada, disse ao grupo de busca que tinha sido recolhida por uma senhora vestida-de-branco que lhe ofereceu água para beber em um recipiente em forma de sino. Alguns atribuíram este acontecimento a uma manifestação da Virgem-Maria e por esse motivo existiu nesse lugar uma imagem da santa que era motivo de peregrinação e que causou várias disputas entre povoações, como é de conhecimento local.

Nome ou Pseudónimo da Testemunha Principal: Ricardo Machado Oliveira
Data e Hora do Avistamento: 15/09/1996, 21:00 hs
Local do Avistamento: Gardunha, Cabeço da Penha.

Relato:

Num Domingo, 15 de Setembro de 1996, um jovem de nome Ricardo Machado Oliveira caminhava pelo Cabeço da Penha, na serra da Gardunha, na região remota da Beira-Alta. A montanha está localizada aproximadamente a 12 Kms do sul do Fundão, uma cidade a 210 Kms a nordeste de Lisboa e a 50 Kms a oeste da fronteira com Espanha. 

Ricardo decidiu explorar uma caverna na montanha com uma história interessante.

Dentro da caverna, Ricardo perdeu os sentidos. Quando veio a si, encontrava-se num hangar subterrâneo enorme e cercado por três espécies distintas de seres humanóides. Próximo estavam diversas naves de forma oval e prateadas. 

Estes seres disseram a Ricardo que eram parte de uma aliança de mundos interestrelares associados para observar a terra. Sua base sob o solo da serra da Gardunha, era uma das quatro bases extraterrestres espalhadas pela terra. As outras estariam em Warminster, Inglaterra, perto da planície de Salisbúria e de Stonehenge; no Grand Canyon, Arizona, EUA; e outra num lugar desconhecido no Peru.

Imediatamente depois de ouvir isto, Ricardo perdeu novamente os sentidos. Quando abriu os olhos, estava do lado de fora da caverna e eram aproximadamente 8 horas na noite.

Pilotos e Ovnis

De acordo com a entidade National Aviation Reporting Center on Anomalous Phenomena, (NARCAP), há mais de 3.500 avistamentos documentados de Fenômenos Aéreos Não Identificados por militares e pilotos civis e militares. Mas o Capitão Jim Courant, um piloto comercial por mais de 31 anos, diz que há muito mais avistamentos que não são relatados.

“É quase surpreendente quantas pessoas sabem a respeito deste assunto“, ele disse na Audiência de Cidadãos para o Desacobertamento, no dia 3 de maio passado.

Courant tem pesquisado e estudado OVNIs por anos. Ele colecionou mais de 3.000 livros sobre o assunto e foi o anfitrião de uma série de TV intitulada “New Perspectives” (Novas Perspectivas), que foi levada ao ar por três anos.

Ele ainda pilota para uma empresa aérea comercial e devido à sua exposição na TV, acabou se tornando uma autoridade sobre OVNIs e encontros extraterrestres. Ele foi e ainda é contatado por muito pilotos comerciais e militares que querem conversar com ele a respeito de seus encontros com OVNIs, mas não desejam falar publicamente por receio de serem ridicularizados e em alguns casos até de sofrerem retaliações.

“Eles têm medo“, não tanto de seus status ou de suas aposentadorias, mas “eles têm mais medo de suas famílias“, disse ele.

Ele descreveu a experiência de um piloto que voava um 747 sobre o Pacífico em 1980, quando um OVNI apareceu na sua frente.

“Você não vai acreditar o que vimos” disse o piloto, de acordo com Courant. “Esta coisa era maior do que um 747“.

Courant relatou que o piloto disse a ele que quando chegou a seu destino, no Japão, ele “foi interrogado e dito para não falar sobre isso novamente“.

Na Audiência, Courant contou a respeito de seu próprio encontro com um OVNI. Em 1995, ele estava voando próximo a Albuquerque, Novo México – EUA, quando ele e seu co-piloto viram uma forma oval de cor azul esverdeada se aproximando pela esquerda. “Em um clarão de luz branca, o objeto de repente subiu a um ângulo de 45 graus“, ele relatou na Audiência.

Quatro outros pilotos relataram à torre de controle de tráfego aéreo que eles também tinham visto o objeto.

“Um piloto disse que devia ter sido um meteoro. Eu interrompi e disse, ‘desde quando um meteoro vai de baixo para cima?“, relatou Courant.

Quando lhe foi perguntado em uma conversa telefônica, após a Audiência, sobre a reação de seu co-piloto, Courant disse: “Ele se recusou a discutir sobre isso e nunca mais voou comigo novamente“.

Courant disse que os pilotos têm relatado o avistamento de uma variedade de naves que aparecem repentinamente e se movem à velocidades impossíveis com a presente tecnologia. Os relatos incluem naves em forma de charuto, nave triangulares, e algumas que são do tamanho de porta-aviões, ou ainda maiores.

Ele diz que os pilotos comerciais são “muito sérios sobre suas profissões” e provavelmente não exageram.

Courant diz que os avistamentos de OVNIs são somente “a ponta do iceberg“, em termos do que tem ocorrido e do que é conhecido sobre alienígenas.

“Há certas coisas que têm sido confidenciadas a mim, mas eu não posso mencioná-las“, ele disse na Audiência.

Ele ainda disse que já é hora do governo dos Estados Unidos revelar o que suas agências têm documentado e aprendido através das décadas de encontros com extraterrestres.

Pilotos comerciais sabem o que viram, ele disse, e deveriam ser capazes de falar sobre isso abertamente, sem medo de serem ridicularizados.

Fonte: ovnihoje.com

sexta-feira, 22 de março de 2013

O caso Baleia

Caso de contato imediato ocorrido nas proximidades do Hospital da Baleia, em Belo Horizonte (MG), em 14 de setembro de 1967. Artigo originalmente publicado no Boletim Especial 1975 da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores SBEDV.

Introdução

Pesquisado meticulosa e detalhadamente pelo CICOANI, de Belo Horizonte, Minas Gerais, o Caso da Baleia constituiu um novo ângulo na série de contatos com extraterrestres dentro do território nacional. Em síntese é o seguinte:

Às 10h30m do dia 14 de setembro de 1967, o garoto Fabio J. Diniz, com 16 anos de idade na época, saltou no ponto final do ônibus Baleia, próximo ao hospital de mesmo nome. Daí dirigiu-se a pé para o pavilhão mais afastado daquele estabelecimento onde tentaria vender persianas metálicas. Subindo a alameda asfaltada, chegou à altura do campo de futebol onde encontrou um objeto enorme, em forma de cogumelo. Tinha uns 20 metros de diâmetro e era de cor marrom, com uma fileira de aberturas "semelhantes a vigias". Na sua base plana havia raias luminosas, de cores vermelha, amarela e azul, que piscavam intermitentemente.

TRIPULANTES

Fábio observava o aparelho quando, repentinamente, com leve e indefinível ruído desceu das bordas da cúpula até o solo um anteparo transparente, que lhe apareceu ser de vidro. Incrustado na base do objeto havia uma espécie de tambor ou cilindro preto, brilhante, com mais de 3 metros de largura por 2 de altura e que formava a base da cúpula. Por uma abertura que surgiu no cilindro saíram dois seres de mais de 2 metros de altura. Tinham a forma humana, eram fortes e vestiam roupas colantes, da cabeça aos pés, de cor verde, semelhante à dos mergulhadores. Havia um anteparo saliente cobrindo a boca e as narinas. Da base desse anteparo saía um tubo que descia pelo peito, atingindo o calcanhar direito e subindo, por trás, até a nuca. os calcanhares eram intumescidos. Os dedos das mãos, embora cobertos pelo vestuário, pareciam ser grossos e sem número de quatro. Um dos tripulantes tinha uma antena na cabeça e o outro portava uma arma, ou coisa parecida.

Quando os estranhos seres apareceram Fábio tentou fugir e logo ouviu uma voz dizendo: "Não corra. Volte".

Então ele se aproximou do objeto, chegando a 5 metros dos dois homens. Observou que aquele que estava possivelmente armado deu uma volta completa em torno do cilindro, enquanto o outro, o da antena na cabeça, lhe dizia: "compareça aqui amanha, neste mesmo horário, do contrário levaremos sua família".

Em seguida entraram no aparelho. A abertura fechou-se, a cortina transparente recolheu-se e o aparelho decolou em vôo oblíquo, lentamente, subindo na vertical.

DILEMA

Aterrorizado o jovem voltou, correndo, para o ponto de ônibus, com a intenção de revelar à sua mãe a ameaça que a envolvia e que o angustiava. No interior do ônibus refletiu com mais calma e resolveu avisar a polícia, chegando ao Departamento de Vigilância Social, aproximadamente 45 minutos após o incidente.

Na manhã seguinte, pesquisadores do CICOANI acompanharam o garoto ao campo de futebol e ali, sob as vistas dos dois policiais civis e dois da Polícia Militar, recolheram amostras de terra com características estranhas. As amostras foram levadas ao Instituto Central de Geo-Ciências da Universidade Federal de Minas Gerais, sendo analisado pelo prof. Edmar de Melo e Araújo, que obteve o seguinte resultado:

ANÁLISE: Maiores constituintes: Ferro, alumínio, magnésio e sílica.

ELEMENTOS TRAÇOS: Cobre, fósforo, zinco, cobalto, zircônio, níquel e titânio.

O caso Ramos Bessa

Introdução

O Caso Maurício Ramos Bessa é um dos muitos casos investigados pela Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV). Ocorreu em 12 de janeiro de 1953, por volta das 13 horas de um dia nublado, nas proximidades da fazenda Guarará, em Santana dos Montes, Minas Gerais. O episódio foi divulgado no Boletim da SBEDV, nº 55/59, de agosto de 1967, cuja transcrição segue abaixo:

"O fato se deu em 12 de janeiro de 1953, às 13 hors (foto nº 11) e foi relatado pelo seu protagonista, Maurício Ramos Bessa, ao Sr. Eber Silvestre, irmão do nosso sócio da SBEDV, Elder Silvestre, que se mudou agora para Brasília. Foi Eber que localizou a testemunha e fez o interrogatório, assistido por nós em alguns dos pormenores. Maurício tem hoje 39 anos, é casado, sabe ler e escrever e trabalha no biotério em dos grandes hospitais do Estado da Guanabara, há 8 anos, tendo nascido aqui mesmo no Rio.

Santana dos Montes dista 3 horas, de automóvel, de Conselheiro Lafayette, e Maurício, depois do seu casamento (lua de mel?) hospedou-se na casa de um colono (parente de criação por parte da Senhora Henriqueta Nogueira de Almeida) da fazenda Guarará, que fica ainda uma légua e meia de Santana. Naquele dia tinha ido ao lugarejo para fazer compras, e na volta, saindo da estrada a meia légua, para atravessar o portão da fazenda, tomou um corte que abreviava bastante o caminho (n° 15) que conduzia através de terreno plano com capim (veja seta no desenho n° 12, de Maurício), perto de um estábulo de vacas e um bambuzal e eucaliptal, quando viu uma coisa luminosa, mais adiante, que o deixou surpreso.

Perdeu o objeto de vista devido ao terreno. Meia hora depois, já à distância de 6 metros, o viu pela segunda vez. Era um veículo menor que um Volks, de cor metalica, brilhante, a 1,30 m do chão, achatado embaixo, ovalado em cima. Ele ficou a observar. Estava agora a 2 metros do veículo, quando, após esperar 2 minutos, de repente, apareceu um vão quadrado, e, em um movimento basculante, uma porta de deslocou para cima. Duas personagens pularam para o chão, que naquele lugar não apresentava capim. Eles tinham roupa cor de chumbo, a qual porém brilhava como um metal, e tinham uma bola brilhante na ponta dos pés, acima do sapato (que parecia ter mais uma forma quadrada, conforme desenho n° 10, de Maurício). O disco deu um balanço para baixo, porém a porta não encostou no chão. Mesmo assim eles entraram no disco, apesar de não terem dado um pulo para cima. Maurício apenas achava que deviam ter prática. Não viu mais a porta fechar, nem o disco subir, porque a dor de cabeça estava tão forte, que nada mais via. Quando a pressão da cabeça de repente cesso, nada mais se via do disco. Foi para a casa com toda a naturalidade, nada mais sentindo no dia seguinte.

Entrando em pormenores, disso o Sr. Maurício, que dentro do disco, através da porta, tinha visto outro tripulante, mas todo imóvel, que parecia olhar para fora. A roupa deles parecia inteiriça; não parecia ter fecheclair, nem bolsas, nem bainhas, com as mãoes e dedos também ainda envolvidos no material individualmente. Até o pescoço e o rosto eram cobertos pelo materialm cm um buraco no meio do rosto, mas não viu os olhos. Os homens tinham 1,30 a 1,40m de altura e no peito, um quadrado brilhante de 3x5 cm aproximadamente. A cabeça parecia mais achatada em relação à nossa. Os movimentos dos homens eram mais rápids que os nossos, especialmente aquele que recolheu o barro. Foi ver depois o buraco no chão, que tinha uma profundidade de 5 cm com uma abertura circular de 3 cm. Não se viam entretanto pegadas dos homens no chão de barro seco. Não escutou conversa entre eles, mas um deles dirigiu-se com movimentos de cabeça ao outro, talvez umas três vezes. Maurício nenhuma pergunta fez a eles, por senti-los superiores À ele, mas achou que eles o convidaram para entrar no aparelho, porém, ficou com medo, sem saber o que responder. O céu daquele dia era nublado. Em 1954 relatou o acontecimento ao reporter do Globo, Homem Rodrigues.

segunda-feira, 18 de março de 2013

O caso Thomas Mantell

Nas primeiras horas da tarde do dia 07 de janeiro de 1948, centenas de pessoas viram um objeto que definiram como "um sorvete de casquinha com a parte superior vermelha", que se dirigia lentamente e a baixa altitude rumo a Fort Knox, Estado de Kentucky. O Fort Knox é uma zona de alta segurança usada para guardar as reservas de ouro dos Estados Unidos. Seu espaço aéreo é proibido e constantes rondas de caças acontecem. Os mais sofisticados radares vasculham, 24 horas por dia, nos 365 dias do ano, toda a região.

Em torno das 14:30 horas, os radares acusaram um gigantesco OVNI se deslocando vagorosamente sobre Fort Knox. Imediatamente o comando militar responsável pela segurança do Campo Godman providenciou uma interceptação aérea do intruso. O Campo Godman é uma base militar que está baseada – convenientemente – ao lado de Fort Knox.

Justamente nesse momento, uma esquadrilha composta de 4 caças P-51 Mustang estava chegando de uma ronda aérea. A esquadrilha em questão era liderada pelo capitão Thomas Mantell que, devido ao seu desempenho em combate durante a Guerra, ele tinha várias condecorações e era uma espécie de ídolo das Forças Armadas. O que se seguiu naquela fatídica tarde de 07 de janeiro de 1948 marcou "a fogo" a vaidade militar norte-americana.


Imediatamente a esquadrilha foi acionada para realizar a interceptação. Dos 4 aviões da esquadrilha, foram apenas 3, pois um deles já estava com o combustível "na reserva". Inicia-se a perseguição ao OVNI e, logo em seguida, um segundo avião se vê obrigado a abandonar a perseguição por seu painel apresentar problemas eletrônicos. Mal ele teve tempo de sair da formação para que o terceiro avião, por sua vez, também tivesse que abandonar a interceptação aérea por falta de oxigênio. Poucos minutos após o início da perseguição, o capitão Mantell ficou sozinho. Vale ressaltar que o avião do capitão Thomas Mantell deveria estar, como os outros, com o combustível e oxigênio acabando.

O fato é que Mantell continuou obstinadamente a caçar o OVNI mesmo sabendo de suas limitações em termos de combustível e oxigênio. Por volta das 14:45 horas, ele se comunica com a base informando que já conseguia avistar o intruso a olho nu. Foram vários comunicados descrevendo um objeto metálico, com a forma de um cone e de proporções gigantescas. Finalmente, por volta das 15:15 horas, se ouve pela última vez a voz de Mantell no rádio: "O objeto está adiante e acima de minha posição, movimentando-se à mesma velocidade de meu avião ou um pouco mais. Se eu não conseguir me aproximar mais vou desistir".

Enquanto tentativas desesperadas de comunicação aconteciam, o avião de Mantell fazia círculos no ar para, logo em seguida, iniciar o megulho fatal ao chão. Maior que o impacto do avião do capitão Thomas Mantell foi o causado com a notícia de sua morte para todo o contingente das Forças Armadas

dos Estados Unidos. Como isso poderia ter acontecido se os Estados Unidos era a maior força militar planeta? A explicação inical da USAF foi que Mantell perseguiu o planeta Vênus, até que ficou sem oxigênio e desmaiou. Sequer ele teria morrido com o impacto da queda, pois, provavelmente, o capitão Mantell teria morrido de anoxia (falta de oxigênio), já que estava a cerca de 20.000 pés. Obviamente, parece um absurdo que um piloto experiênte, condecorado, tivesse confundido o planeta Vênus com uma nave desconhecida – sem mencionar o absurdo que é supor que o planeta Vênus seja detectado pelo radar.

Para tentar acabar com os boatos relacionando este caso com UFOs, a USAF acionou o projeto Blue Book para assumir as investigações. O capitão Edward Ruppelt, responsável pelo Blue Book, concluiu que Thomas Mantell havia perseguido um balão sonda meteorológico lançado pelo projeto "Skyhook". A armada norte-americana criou um balão gigantesco capaz de ascender até 70.000 pés (cerca de 21.000 metros) de altitude, para recolher informação sobre a alta atmosfera. O gigantesco balão tinha forma de pêra próximo à Terra, mas se convertia numa esfera, de trinta metros de diâmetro, quando estava a grande altura.

Muitos ufólogos não concordaram com a explicação oficial e outros, como Jacques Vallée, aceitaram e deram o caso como encerrado. Já a imprensa fez sua glória com todo tipo de sensacionalismo possível. Um jornal de grande circulação em kentucky chegou a soltar manchetes de uma guerra planetária: "O avião de Mantell foi desintegrado pelo raio da morte dos marcianos". Até hoje o caso gera polêmica e é alvo de muitos questionamentos.

sexta-feira, 15 de março de 2013

O caso Baependi (Arlindo Gabriel dos Santos)

Este incidente ocorreu no dia 16 de maio de 1979, na cidade de Baependi, Minas Gerais, e envolveu o contato direto de tripulantes alienígenas com o agricultor Arlindo Gabriel dos Santos. Este caso foi investigado pelo ufólogo Ubirajara Franco Rodrigues. No citado dia, Arlindo teria saído para procurar uma vaca desgarrada; porém, posteriormente ele admitiu que tinha mentido. Na verdade ele tinha saído para caçar com dois amigos. Na época ele teve receio de sofrer alguma sanção da polícia florestal por estar caçando, assim ele achou conveniente inventar a estória da vaca desgarrada. Uma mentira justificável, que não pode ser qualificada de forma a comprometer o testemunho de Arlindo. A razão de sua mentira é completamente compreensível.

Arlindo Gabriel dos Santos estava caçando com dois amigos e, quando eles estavam a uns seis quilômetros de distância da sede de sua fazenda, decidiram se separarem. Cada qual teria tomado um rumo diferente. Depois de um pequeno tempo, Arlindo avistou um objeto estranho descer no chão e que, inevitavelmente, o deixou cismado. Curiosos, decidiu se aproximar para observar melhor o objeto. Pelas suas descrições, o objeto tinha um formato cilíndrico com 50 centímetros de largura e 1,5 metros de comprimento, uma base circular escura e uma esfera na sua parte superior de cores branca e vermelha.

Arlindo tinha levando uma câmera fotográfica que estava embrulhada em um embornal e, sendo assim, teve a oportunidade de fotografar o objeto por uma vez, até que o mesmo desapareceu inexplicavelmente. Logo em seguida, desceu um outro objeto que tinha o formato ovóide e com uma haste na sua parte inferior. Essa haste parecia uma espada e, na parte superior, tinha algo que parecia ser uma espécie de hélice. Arlindo tirou uma foto do objeto até que o mesmo começou a emitir um ruído e, logo em seguida, se transformado numa névoa – que logo desapareceu. Depois dessas duas aparições súbitas e seus respectivos desaparecimentos, Arlindo voltou a andar mais um pouco e, de repente, desceu um terceiro objeto. Este tinha a forma de um barril de um metro de altura e era listrado nas cores branco e vermelho. Este objeto também parecia ter uma espécie de hélice na sua parte superior. Arlindo não hesitou: também fotografou o inusitado aparelho. Tal qual os dois anteriores, o objeto desapareceu logo em seguida sem que Arlindo pudesse reparar como isso aconteceu.

OS OBJETOS OBSERVADOS POR ARLINDO:


Arlindo então andou uns dez metros na direção do local onde o objeto estava antes de desaparecer. Sua intenção era ver se conseguia encontrar alguma coisa que lhe indicasse o que estaria acontecendo e como aqueles objetos teriam sumido. E é exatamente neste momento que um enorme OVNI com o formato de um ovo e todo branco desce diante de Arlindo – numa distância de apenas um metro. Conforme a descrição da testemunha, o objeto tinha um ruído parecido com o de um motor de carro afogado. O aparelho tinha no mínimo uns dez metros de diâmetro e uns oito metros de altura e, antes de ele pousar no chão, saiu uma espécie de trem de pouso que consistia em quatro hastes pequeninas – algo como uns seis ou sete centímetros de largura. Arlindo tentou fotografar este UFO, porém ele emitiu um feixe de luz em sua direção que provocou uma dor em seus olhos. Imediatamente, Arlindo largou todas as suas coisas no chão e saiu correndo, temendo o que poderia acontecer com ele.

Para seu desespero, Arlindo mal conseguiu se distanciar uns dez metros do UFO, pois o objeto disparou uma espécie de relâmpago que o atingiu em cheio – Arlindo ficou totalmente paralisado após ser atingido. Sem compreender o que lhe estava prendendo, Arlindo tentou olhar para trás e viu dois alienígenas que pareciam ser iguais a nós. Os seres estavam usando roupas que cobriam todo o seu corpo, além de capacetes justos que cobriam quase toda as suas cabeças. Eles também estavam usando luvas. Só era possível ver os rostos das criaturas, pois os capacetes tinham vidros transparentes na frente. Os dois alienígenas foram até Arlindo e o pegaram, sendo que um foi no seu lado direito e o outro do lado esquerdo. Nesse momento, Arlindo suplicou: "Pelo amor de Deus, me soltem!". Neste exato momento ele ouviu uma resposta de um dos alienígenas que, inclusive, mexeu a boca para falar: "Em nome de Deus, nós todos somos irmãos". O interessante é que o som não parecia sair de sua boca e sim de uma caixa que estava pendurada nas costas dos alienígenas. Desta caixa saia uma espécie de tubo que estava conectado no capacete deles. O outro alienígena falou logo em seguida: "Não fazemos mal a ninguém, apenas queremos uma informação". E assim eles levaram Arlindo em direção do OVNI.

Quando chegaram diante da nave, Arlindo pode ver que este tinha uma porta com uma escada de quatro degraus e, ainda, havia outro alienígena parado ali, esperando-os. Esta criatura perguntou para Arlindo se ele não tinha visto uma "zurca" ali por perto. Arlindo disse que não e perguntou o que é uma "zurca". Então o alienígena explicou que era um aparelho que eles transmitiram de lá para cá. Finalmente os seres pegaram Arlindo e levaram-no para o interior do UFO.

Ainda quando estava do lado de fora, Arlindo reparou que nas proximidades da porta de entrada da nave a temperatura estava mais baixa que no ambiente do local. Quando entraram, Arlindo percebeu que a temperatura era bem mais fria que do lado de fora. Era como se houvesse um ar condicionado no interior da nave. Outro detalhe interessante é que, além de frio, ele reparou um cheiro que julgou ser parecido com o de poeira. Além dos três alienígenas que Arlindo viu ainda do lado de fora, dentro da nave havia outros três, sendo que um deles era do sexo feminino. Ao entrar, imediatamente Arlindo viu outros dois seres que estavam sentados numa espécie de cadeira. Ambos estavam usando capacetes como os outros. A impressão que Arlindo teve é que – segundo suas próprias palavras – "eles estariam batendo máquina" (Arlindo comparou a atividade dos tripulantes com datilografia). Talvez tal julgamento fosse motivado em função do barulho que fazia enquanto os seres estavam mexendo nos dispositivos internos da nave. No entanto, ao entrarem, logo as criaturas pararam e conversaram com os três que foram lá fora capturar Arlindo. Inclusive ele reparou que eles chacoalhavam a cabeça em alguns momentos. Arlindo não entendeu absolutamente nada do que os seres alienígenas conversavam entre si.

De repente apareceu uma moça, que teria vindo de outro compartimento do UFO, e que não estaria usando capacete. Ela era loira e de rosto rosado. Ela estava usando um aparelho no ouvido com o que Arlindo comparou com um "ouvidor de telefone". Inicialmente, a alienígena conversou com os outros seres, na qual foi impossível para Arlindo entender uma única palavra. Logo em seguida, a criatura e um dos alienígenas masculinos levaram Arlindo para um outro cômodo da nave, na qual tinha um aparelho parecido com uma geladeira.

A "moça" pegou uma espécie de varinha enquanto o outro ser começou a mexer nos botões deste aparelho que Arlindo comparou com uma geladeira. O aparelho tinha um monitor e, assim que apareceu uma imagem, a alienígena feminina usava a varinha para apontar para os objetos que apareciam nesse monitor. Segundo Arlindo, essa criatura aparentemente fêmea começou a explicar detalhes sobre sua civilização, a forma que eles conseguiam vencer as distâncias astronômicas e outras várias informações importantíssimas – que, infelizmente, não foi possível se resgatar nada em seus depoimentos devido a limitação cultural de Arlindo. Ele não entendeu nada e não se interessou em perguntar para a criatura o que não conseguia entender. É lógico que Arlindo poderia estar se sentindo intimidado ou mesmo, em função da situação incomum – um seqüestro alienígena – não estava em condição de raciocinar normalmente.

Depois que a criatura lhe passou diversas informações, Arlindo foi levado para o cômodo anterior e percebeu que um dos seres também tinha tirado o capacete. Segundo Arlindo, eles eram muito parecidos conosco, sendo que ele só reparou uma pequena diferença: a testa deles era um pouco diferente – embora Arlindo foi incapaz de dizer exatamente qual era a diferença no sentido anatômico. Já a boca Arlindo descreveu que parecia um corte com lábios bem fininhos.

Neste momento, as criaturas teriam lhe dito que: "Nós somos da mesma matéria, do mesmo sangue e vivemos o mesmo trabalho". Depois disso, Arlindo foi levado para fora da nave e os seres ainda lhe avisaram: "Proteja a vista, que o aparelho condena a vista". Os alienígenas conduziram Arlindo até a saída e Arlindo, por sua vez, desceu sozinho as escadas. O interessante é que Arlindo não conseguiu olhar para traz, pois ele se sentia meio "preso" – um efeito que ele nunca conseguiu explicar. Talvez isso ainda fosse alguma influência dos extraterrestres sobre Arlindo.

Depois de tudo isso, Arlindo teve de andar de volta um bom"pedaço" até que encontrasse seus dois amigos que tinham ido caçar com ele. Arlindo se sentia enjoado e com um pouco de tontura – sensações que duraram bastante tempo. No momento do contato com os alienígenas, Arlindo tinha deixado suas coisas caídas no chão e, quando retornou para procurar, ele acabou não achando nada. Porém reparou que o trem de pouso da nave tinha deixado marcas profundas no terreno.

Logo a notícia de sua experiência com os alienígenas se tornou a grande sensação da cidade de Baependi. E, inevitavelmente, acabou chegando nos ouvidos da imprensa que deu todo um tratamento sensacionalista ao incidente com manchetes de grande apelo público nos jornais. Obviamente este caso logo chegou também ao conhecimento do ufólogo Ubirajara Franco Rodrigues, que tratou de entrar em contato com Arlindo Gabriel dos Santos. Levado até o local onde teria se dado o incidente pelo próprio Arlindo, Ubirajara Rodrigues fez moldes de gesso das marcas do trem de pouso e, ainda, eles acharam o embornal que Arlindo tinha perdido no momento do contato.

A princípio Arlindo ficou em dúvida se aquele era mesmo o seu embornal, pois o mesmo estava com várias figuras desenhadas que pareciam uma espécie de escrita. O embornal de Arlindo era liso e não tinha qualquer figura pintada nele.

Com relação às supostas fotografias obtidas por Arlindo, infelizmente as fotos não mostravam as supostas três sondas que tinham descido antes do pouso da nave tripulada. Verificado por Ubirajara Franco Rodrigues, a câmera acabou sofrendo uma grave avaria: a chapa interna de proteção do filme estava queimada e coberta de fuligem. É possível que isto tenha acontecido no momento que Arlindo tentou tirar uma fotografia do OVNI e este, por sua vez, emitiu um feixe de luz que acabou lhe paralisando e também, como conseqüência do feixe, estragou sua câmera fotográfica. A fuligem que cobria a placa interna do sistema de disparo pode ter sido provocada por uma reação química em função de uma exposição ao calor ou uma grande energia luminosa. Mas sem dúvida, o "ponto alto"deste caso seria as estranhas pinturas do embornal de Arlindo.

Mostraremos agora as duas traduções obtidas do estranho desenho no embornal de Arlindo Gabriel dos Santos pelo pesquisador ufólogo Ubirajara Franco Rodrigues. Com relação às traduções, Ubirajara se recusou a opinar pela total falta de conhecimento nesta área.

O EMBORNAL DE ARLINDO


TRADUÇÃO DE PAULO STEKEL

Hebraico e o aramaico bíblico, recorrendo a técnica cabalística quando o léxico não ajudava:

"Que aquele que oprime a erva nova a umedeça, faça-a nascer, para que seja concluída e domine a matéria para que a sua palavra realize o destino da beleza que a conserva perfeita. Pois aquele que a protege da palavra inútil e impura tem um escudo que reforça seu jardim. Caso contrário, sobre o que recairá a ruína? Sobre a força natural da vida. Agora é o momento para a evolução de sua forma e de sua consciência ordinária, pois consciência natural é como o ouro puro, como uma chapa superior, como a síntese da existência e do conhecimento. Defeito violento é à força da consciência objetiva, que é um movimento evolutivo, sem nenhum amor, usada apenas para conservar o domínio. Cada broto desta erva possui um sublime poder. A erva é como uma árvore de ouro puro, capaz da dissolução do mal, mesmo que no princípio seja apenas uma insignificante semente".

TRADUÇÃO DE RICARDO FERREIRA ARANTES

Usou uma imagem invertida (como visto pelo reflexo do espelho) e baseou-se nos alfabetos fenício, hebraico e aramaico. Preferiu deixar sete frases sem tradução em função dos borrões:

"(Oh) quando está determinado;
Calamidades seis vezes;
Vermelho desolado;
Nem a beleza das terras mais longínquas será preservada na nuvem;
Escutai mensageiro, a dor (dos que foram) destruídos pelo clarão;
Livrai-nos da maldição (de ter) o corpo consumido;
Fazei saber (que) a ira de Deus cresce e se aproxima silenciosamente"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...